sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Carnaval 2014! Os dias de folia chegaram!!!

Semana passada estive no pre carnaval de São Paulo. Muita gente, muita diversão, muita bagunça.
De repente me dei conta que fazia muitos, mas muitos anos que eu não participava da folia de carnaval. E me remeteu a minha infância, as minhas ultimas lembranças do que 'e pular carnaval!
Lembrei da minha mãe fazendo as minhas fantasias, de bailarina, de hawaiana, odalisca, bruxa e tantas outras que preparávamos juntas (muito mais ela, confesso!!) e que depois fazia a minha alegria nas matines carnavalescas!!!
E por isso, acho que para as crianças, este momento de carnaval 'e único. Um momento de fantasias, de criatividade nesse mundo lúdico-real.
E já que o carnaval ta batendo nas nossas portas logo logo, ainda da tempo de preparar uma fantasia bacana para os pequenos participarem desse universo paralelo!!!
Aqui tem uma historia muito bacana de uma mãe e sua filha de 4 anos que preparam varias roupas de papel juntas. Uma cumplicidade que fica na memoria pra sempre!!

E se você ainda não preparou a fantasia dos pequenos, da uma olha aqui e aqui. Varias ideias e algumas delas possíveis mesmo já sendo sexta de carnaval!!!

Ah, não tem tempo ou ta com preguicinha?? Mais de 120 mascaras prontas. 'E só imprimir e começar a se divertir!!!

BOM CARNAVAL PESSOAL!!!!







terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Três vestidos pra lá de bonitos.

Conheci há um tempo uma pessoa, sentada, lendo. E me interessei pela leitura dela. Estava lendo um dos meus escritores favoritos. Viramos amigas. E ela me falou do irmão dela, escritor. E me emprestou o livro dele. E eu devorei. Adorei. E fiquei ainda mais amiga dele. Pessoa incrível, escritor maravilhoso, escreveu um texto lindo, influenciado pelas belezas que nós da La Condesita fazemos. Emocionante. E claro, deu ainda mais orgulho de participar deste universo, de vestidinhos e meninas lindas, cheias de talento.
Divido com vocês o conto infantil do querido Alexandre Gennari:

Eram três vestidinhos pra lá de bonitos.
O primeiro era amarelo. A cor preferida de Luiza, que sempre andava vestida com ele e sem sapatos, porque gostava de sentir a grama macia entre os dedos gorduchos quando corria descalça pra lá e pra cá. O vestido amarelo era cheio de florzinhas desenhadas, como as flores de verdade das quais Luiza tanto gostava. Sempre que via um vaso arranjava um copo com água e molhava a terra em volta da plantinha. Se via uma árvore florida, parava e ficava olhando, admirada.
O segundo vestidinho era vermelho. A cor que Clara mais gostava. Depois do banho, a mãe sempre pedia a ela que escolhesse um vestido no guarda-roupa, mesmo sabendo que a filha escolheria o vermelho. Não dava outra. Vestia o vestido predileto e corria olhar-se no espelho. Depois apanhava uma folha de papel em branco e desenhava o vestido vermelho. Em seguida desenhava vestidos amarelos, azuis, prateados, floridos… E desenhava meninas negras, brancas, amarelas, índias; vestidas nos vestidos que desenhara. Passava o dia assim. Encantada.
O terceiro vestidinho não tinha cor. Porque Manuela não se encantava com nenhuma cor. E colocava seu vestido sem cor pra ficar olhando o céu, o mar e as estrelas. Horas e horas sem falar com ninguém. A mãe ficava preocupada e dizia: “Manuela, presta atenção, você é muito desligada!” E Manuela nem aí. Perdida em pensamentos. E vocês sabem no que Manuela pensava? Não? Nem eu.
Eram três moças pra lá de espertas…
Quando cresceu, Luiza percebeu que vestidos amarelos sempre ficavam bonitos nela. E que as flores ficavam mais alegres quando ela estava por perto. Quando via uma planta meio tristonha, mudava o vaso de lugar e pronto. Uhu! No dia seguinte ela já estava contente outra vez. Esse era o seu talento.
Clara, depois que ficou maior, continuou preferindo os vestidos vermelhos. Ah! Ela parecia uma princesa com seus vestidos encarnados. Ficava tão feliz que queria ver as outras moças felizes como ela. Por isso desenhava os vestidos mais bonitos do mundo pra elas. Vocês já sabem né? Vestidos prateados, azuis, amarelos; pra moças brancas, negras e amarelas. Era o talento de Clara.
Quando ficou moça, Manuela continuou sem saber que vestido usaria. Ninguém, nem ela mesma, tinha a menor ideia do que fazer com aquele gosto que ela tinha de ficar horas e horas olhando o céu, o mar e as estelas sem dizer nada.
Até que um dia sua mãe lhe disse:
“Manuela, minha filha, agora você já é uma moça e precisa prestar atenção nas coisas à sua volta.”
“Eu presto, mamãe, presto atenção no céu, no mar, nas estrelas…”
O tempo passou e Manuela continuou olhando o céu, o mar e as estrelas. Mas um dia a mãe insistiu: “Filha, no que você pensa quando está olhando o céu?”
Manuela pensou por alguns momentos e disse: “Eu tenho ideias, mamãe. Um monte delas.”
Foi a vez de a mãe refletir e dizer: “Então chegou a hora de você organizar essas ideias e colocá-las à serviço das pessoas.”
Naquela noite, Manuela vestiu um vestido azul como o céu e as pessoas disseram: “Manuela, você fica muito bem de azul.”
“Cada menina tem um vestido feito especialmente pra ela,” respondeu Manuela. E esta era uma de suas muitas e muitas ideias.
As ideias eram o talento de Manuela.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Frete grátis em todo site e promoção de verão La Condesita.

Amanhã, da 18/2, o site da La Condesita estará com frete grátis em todos os produtos, independente do valor da sua compra!
E entregaremos em todo país!!!

Fora isso, toda nossa coleção de verão está com precinho pra lá de especial! E já que o calor veio pra ficar, que tal aproveitar pra adquirir roupinhas super estilosas, de excelente qualidade, feita com muito amor e carinho??? Os pequenos merecem!!!



Olha algumas das coisinhas bacanas que você encontra lá:
Camisa Honolulu para meninos de 3 meses a 4 anos, de R$ 79 por R$ 58

Vestido Hiva para meninas de 6 meses a 6 anos, de R$ 94 por R$ 78.


APROVEITEM!!!
E se tiverem alguma dúvida, mandem um email pra gente: lacondesitababy@gmail.com  :-)

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Colírio de Nitrato de Prata / Cuidados com o seu bebê.

Estava hoje trabalhando no computador e me deparei com um texto interessante que me fez refletir muito sobre tantos cuidados que as mamães devem ter com os bebês e que em alguns casos, por serem cuidados padronizados, não são sequer questionados...
Mas há sim necessidade de questionar. De saber e entender o que está sendo feito com seu filho assim que ele vem ao mundo. E o texto que li, fala do colírio de nitrato de prata. Aquele que é pingado nos olhinhos do bebê logo nos seus primeiros momentos de vida.
Pra que pingar este colírio? É mesmo necessário? E ainda: ele pode ser prejudicial aos pequenos?

"O colírio de nitrato de prata é pingado nos olhos dos recém-nascidos na primeira hora de vida para evitar dois tipos graves de conjuntivite, a conjuntivite causada pela bactéria Neisseria gonorrheae e a conjuntivite causada pela bactéria Chlamydia trachomatis. Tais bactérias podem infectar um bebê que tenha nascido de parto normal SE a mãe tiver gonorreia ou clamídia. Se a mãe não for portadora das bactérias mencionadas ou se a criança nascer de cesariana, logicamente não se põe o tal colírio nos olhinhos dos bebês, certo? ERRADO! Por incrível que pareça a administração do nitrato de prata em recém-nascidos faz parte do rol de procedimentos chamados “de rotina” na maioria dos hospitais brasileiros. Ou seja: nasceu-pingou! “Mas eu não tenho gonorreia…” PINGOU. “Mas ele nasceu de cesárea…” PINGOU. “Mas ele nasceu com uma deformidade, não tem os olhinhos…” PINGOU!"

O nitrato de prata pode causar conjuntivite química, ou seja, é um colírio para evitar conjuntivite que pode provocar conjuntivite! Além disso, em concentrações maiores, costuma ser usado para queimar verrugas. 
Então acredito que não é algo que deva ser feito como procedimento padrão se não  tiver mesmo necessidade, não é mesmo?

Este é só um de vários cuidados padronizados que devemos ficar de olho durante a gestação, durante o parto e até mesmo depois que o bebê vem ao mundo. Buscar conhecer o que é melhor para o seu filho é sem dúvida um grande aliado para um crescimento saudável. Pesquise muito e tente entender porque alguns procedimentos são feitos, e não somente aceitá-los porque "todo mundo passa por isso". E pode ser que um ou outro procedimento seja mesmo necessário executar, mas com consciência e entendimento dos benefícios dele.

Para ler mais sobre o texto, acesse O Renascimento do Parto.